Mensagens

A mostrar mensagens de Março, 2013

Pardalada...

Queima do Judas

Para regressar ao passado basta montar um cometa, depois da sua passagem pelo sol, e voar até às mais longínquas distâncias esquecidas pela memória. O cometa tem o condão de saber o local onde nascer e morrer é igual. Mas não é preciso ir tão longe, porque pode ser uma experiência muito assustadora.  Estou a olhar para o céu e não consigo ver as estrelas. Já não as vejo há muito. Começo a ter saudades, tantas como do sol, perdido ou roubado. Imagino que um cometa se aproxima. Agarro-me à sua cauda e precipito-me em velhas recordações. Anda depressa o cometa. Peço-lhe que abrande e me deixe ver o que é aquilo, são vozes a espreguiçarem-se, sons confusos, interjeições brejeiras e risos sardónicos, envoltos em longas labaredas, com um estranho cheiro a petróleo, das quais evola um espesso fumo branco acinzentado capaz de obrigar os olhos mais secos a lacrimejarem e a interromper a deliciosa gritaria com acessos incómodos de tosses secas. E vi, vi um sábado de aleluia em que queimavam o Juda…

"Médica das letras"

Imagem
Sexta-feira santa, chuvosa, triste, a convidar ao descanso merecido de lutas sem fim, de guerras perdidas, combatendo numa sociedade desestruturada, vazia de ideias, pérfida, idiota, capaz de capar o mais otimista. Acordo cedo. Um castigo imposto pelos dias de trabalho que desconhecem a existência dos feriados. Fiz um esforço adicional para prolongar o tempo de repouso. Soube-me a algo mais simbólico do que prático, mas deu para rememorar outras sextas-feiras santas, tantas, e todas cheias de histórias. Hoje, sexta-feira santa, colecionei mais uma. Gosto de as colecionar, gosto de as registar, gosto de as reler e de as dar a conhecer. Gosto de juntar "as palavras para ficarem boas e bonitas".  Toca o telefone. A voz, nova, doce, timbrada, eivada de encanto e de fantasia, cumprimenta-me com um bom-dia que nem o sol consegue nos dias de verão ao nascer.  - Bom-dia, meu amor.  - Vovô, tens que me ajudar, a mamã acordou com dores de cabeça e não se levanta para tomar o pequeno-…

Memória

Não sei o que fizeram à memória. Alguns esquecem-se porque a idade assim o exige, outros porque as toupeiras da demência destruíram o passado e minam o futuro, mas há também os que se fazem esquecidos, umas mulas que sabem viver e como enganar o próximo. A estes tipos de faltas de memória acrescento a atrofia do desenvolvimento da mesma.  Começa a ser anedótico ir às compras e pagar. - Faz favor? Quanto é? Uma pergunta banal para quem acabou de adquirir um jornal e uma revista. Feitas as contas, mentalmente, 3,75 €. A menina saca de uma máquina calculadora e consegue fazer a conta. - 3,75€. - Muito bem! Aqui tem uma nota de cinco euros. Fiquei a aguardar o troco, 1,25€. A menina volta a pegar na pequena máquina de calcular e em voz alta digita, 5 euros menos 3,75. Com um sorriso bonito e simpático dispara, triunfantemente: - Tenho de lhe dar 1,25€. Aqui tem. - Muito obrigado. Ripostei um pouco incomodado pela lentidão do processo. A moça deveria ter o curso secundário e conseguiu bar…

"Quem vê de fora vê melhor"!

Primavera instável, chuva por tudo o que é sítio, lágrimas de um tempo desesperado e sem futuro a querer atormentar-nos a existência. Chuva da semana santa a lembrar que as divindades que se passeiam nesta época também sofrem connosco. Só podem. O trabalho obrigou-me a viajar até à capital. Há algum tempo que não prestava vassalagem à gorda, à dona, à meretriz, à amada mais odiada. Levantei-me de madrugada. Cedo de mais!  Enfim, um erro de horas, mas mais vale assim, porque não se pode fazer esperar a mãe do país, pode irritar-se. Esperei eu, não me custou nada, arranjo sempre maneira de usar o tempo em meu favor. Lá fora, a chuva e o vento dançavam freneticamente como se fossem atingidos pela doença de São Vito, atemorizando-me, como quem diz, quando saíres daí vais ver o que te vai acontecer. E aconteceu, molhou-me e irritou-me. Na baixa, abrandou a sua irritação, permitindo que almoçasse em paz. Depois, passeei, tinha de fazer horas para outra atividade, a conferência ao final da …

"A arte é fonte de otimismo"

Os meus dias de pessimismo multiplicam-se de forma exponencial. Razões? São tantas que nem me atrevo a citá-las. Poderei dizer que muitas delas são partilhadas por diferentes pessoas, não as mesmas, porque cada um tem a sua visão própria do mundo com leituras e vivências diferentes. Cada um de nós considera as suas razões como as mais importantes, porque são reflexos do seu posicionamento neste estranho mundo. É perfeitamente natural. No entanto, algumas dessas razões parecem adquirir um estatuto universal, como esta tragédia que nos assalta diariamente e da qual não conseguimos sair nem antever como. Sou inundado diariamente com o pão amargo da tristeza, da falta de esperança e de uma crescente desconfiança em quem nos governa e desgoverna, para não falar daqueles que, tendo sido mais do que responsáveis pela atual situação, foram mesmo criminosos, ameaçam emergir para nos atormentar, não a todos, porque alguns devem esfregar as mãos de satisfação face à possibilidade de regressarem …

"Mactérias"

É bom estar atento aos miúdos, porque quando menos se espera aprende-se alguma coisa, pelo menos ficamos a saber, ou a imaginar, como funcionam aqueles pequenos cérebros ávidos em compreender o mundo que os cerca.  O primo, um ano mais velho, sofre de cárie. Uma situação muito comum nestas idades. Apesar dos cuidados de higiene oral não conseguiu evitá-la. Tomara! É uma criança como qualquer outra, gosta de se alambazar com produtos altamente cariógenos, o que pode ter consequências, por vezes dolorosas, como foi o caso desta semana. Antes, já tinha sido sujeito a tentativas de tratamento, mas, como estávamos à espera, opôs-se com determinação, ou seja, com medo, comportamento típico nestas idades, embora as condições atuais não tenham nada a ver com os dignos representantes dos "dentistas-barbeiros" que, no meu tempo de criança, revelavam ainda resquícios de aspirantes a torturadores da Santa Inquisição.
As conversas sobre este tema, cárie, doces, chocolates, lavagem e esc…

Beleza perfeita

Uma jovem britânica foi considerada no ano passado como a mais bela daquela ilha e uma outra foi considerada como a beleza perfeita. Afinal quais são os critérios que explicam estas apreciações? Tudo se baseia numa simetria facial, antes de tudo, em que determinadas proporções são respeitadas, caso da distância entre as pupilas ser ligeiramente inferior a metade da distância entre as orelhas e a distância dos olhos à boca ser superior a um terço da distância entre a linha de inserção do cabelo e o queixo. Enfim, há de facto um conjunto de proporções suscetíveis de provocar o despertar do sentido estético o qual terá a ver com alguma vantagem evolutiva. As mulheres com estas características atraem mais os homens, o que é uma vantagem, e também sinalizam menos riscos de anomalias gené

"Não ter medo da bondade"

Ouvir dizer que "não devemos ter medo da bondade" perturbou-me. Uma frase não feita, não encomendada, apenas sentida por quem deve gostar e acredita na vida. A frase perturbou-me e, muito provavelmente, não a irei esquecer. Qual o seu sentido, qual o seu alcance, qual a sua origem? Não importa qual, o que importa é que vai ficar na mente de alguns, na minha vai ficar com toda a certeza. Sempre irá ajudar-me a esconjurar a maldade que abunda por aí. Não esconjura nada, mas não há nada melhor do que acreditar numa esperança vã, dá sentido e significado, ainda que momentaneamente, à vida, enquanto a sentimos ou enquanto ela se faz sentir, tanto faz. Ouvir dizer que "não devemos ter medo da bondade" aleijou-me, porque no momento em que a ouvi estava a ler um pequeno artigo sobre uma das mais horríveis manifestações de um representante da espécie humana, Joseph Mengel, o "Anjo da Morte", um dos poucos demónios que nunca foi capturado e julgado pelos seus atos…

Bolo de anos

Imagem
Faria hoje noventa anos. Morreu três dias após ter completado oitenta e oito anos, depois de um longo processo de sofrimento. Acordei a meio da noite ansioso perante um estranho silêncio. Pressenti que algo se estaria a passar. Entrei no quarto e apercebi-me da realidade, tinha acabado de adormecer no sono mais profundo que a vida pode proporcionar.  A neta mais nova tinha, na altura, pouco mais de dois anos. O que é curioso foi o facto de nunca a ter esquecido. Quis saber para onde tinha ido e tivemos de apontar para uma estrela brilhante dizendo que estava ali. A partir de então procura-a sempre que pode, o pior é quando o céu não está visível. Nessa altura diz que deve estar a dormir.  Vai ser, muito provavelmente, a sua memória mais antiga. Como a avó fazia anos no dia seguinte ao da mãe, quis, desde ontem, saber como é que ela iria fazer a festa, quem é que iria cantar os "parabéns a você", quem é que iria fazer o bolo, como seria o bolo, enfim, uma metralhada de pergu…