Mensagens

A mostrar mensagens de Maio, 2017

"FIM"...

Uma segunda-feira fresca, sem sol e sem movimento. Caem umas gotas de água como se alguém estivesse a tecer uma delicada cortina. Aguardo a hora da aula. É a ultima que vou dar. Simples. Provavelmente não vão estar mais do que meia dúzia de alunos. O habitual. Tenho a aula, nova, preparada há muito, mas irei comentar apenas a parte inicial. Não a vou terminar, eu é que termino. Estou sozinho. Não vou ter companhia e muito menos a festa do costume a enobrecer e a premiar quem lecionou durante tantos anos, mais de quarenta. Não esperei pela idade da jubilação. Saio agora, no momento certo, durante uma aula normal sem mais nada. Acompanho-me a mim próprio além das memórias de uma vida. Não sinto tristeza, não sinto angústia, não sinto qualquer espécie de alegria, apenas vou viver mais um dia. Vou terminar a minha carreira académica como se a morte fosse a verdadeira razão da vida, sair de cena. Lá fora tudo vai continuar na sua estranha e mais do que previsível rotina. Eu não fujo, nem…

“Verde, azul e vida”...

Nem sempre acerto com o destino. Realmente não me lembro de alguma vez o ter descoberto. Nem sei o que é, se tem cor, cheiro ou som.
Gosto de ver o verde que se desenha com ramos e folhas de recorte estranhos. Não sabem a razão. Eu também não. Mas mesmo que soubéssemos para que serviria tal conhecimento? Para nada, a não ser para provocar mais inquietação, não às florestas mas a mim.
O azul vigiou-me durante a tarde. Estranhei o seu olhar e mais ainda o espanto do seu calor.
Tudo é a fingir, o verde, o azul, o calor, o amor e a vida, menos a dor de quem continua acordado à espera de ser amordaçado pelo tempo e coberto pela escuridão do mais frio silêncio, o do esquecimento.

"TERRAS VAZIAS"...

Andei à procura de sentimentos, de emoções, de pessoas, de odores e principalmente de cores. Seduzem-me as cores, as que se vestem de verde são as mais misteriosas. São tantas as tonalidades que não consigo compreender o seu significado. São fábricas de vida que copulam constantemente com o deus sol. Talvez seja por isso que combinam tão bem, o amarelo dourado e os verdes amados. Passei pelos mesmos locais. Já os conheço, não são sempre iguais. Mexem-se ao sabor do vento e murmuram encantos aos olhos de quem os vê. Gosto de os ver, mesmo que o azul do céu, amuado como se fosse uma criança, não tivesse aparecido. O azul é mesmo assim, alegre, divertido, mas também trombudo e que gosta de ficar esquecido. Um rabugento que depressa aparece sedento dos olhares de todos os seres mortais ou se esconde sem razão. É belo por isso mesmo, instável como qualquer ser humano. Hoje não apareceu, espreitou, julgando que ninguém o via. Uma perfeita criança que vagueia no céu e nas lágrimas capazes de…