Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2017

"Silêncio"...

Desde muito pequeno que me apercebi da forma estranha de falar das pessoas. Escapava à minha pobre razão em germinação. Passavam de conversas altas, livres, soltas e francas para sussurros baixos, inquietos e misteriosos. Um contraste violento mesmo para uma criança. Atento a certos pormenores, depressa compreendi que não se podia falar de certos assuntos e de certas pessoas. Corriam risco de virem a ser incomodados. Presenciei, mais tarde, a alguns episódios.  Às vezes era surpreendido pelos adultos. - Estavas a ouvir? - Estava. Mas não percebia patavina. - Nunca digas a ninguém o que estávamos a dizer. Ouviste? - Ouvi. Mas porquê? - Porque, porque... Gaguejavam e terminavam, podem fazer-nos mal. - Mas quem? Perguntava. - Não interessa. Tens é de estar calado. Está bem? - Está. Eu não digo nada. E não dizia. O que é havia de dizer se não percebia grande coisa? Não sei se já tinha alma de túmulo, de qualquer modo adotei esse comportamento. Ainda hoje é a mesma, só o tempo é que é difer…

Pantominice

Este país está recheado de pantomineiros de toda a espécie. Quando leio ou ouço as notícias concluo que começa a ser difícil encontrar uma área que mereça confiança. Anda tudo ao desvario. A loucura generalizou-se. Os responsáveis não passam de meros fingidores. Afinal o que é que querem? Ganhar a vida, tentar a sorte, desfrutar o bem bom e fingir que se interessam pelo semelhante? É o mais certo.  A diversidade comportamental tem de tudo, inclusive a sacanice a hipocrisia. Surgem os velhos mecanismos de sobrevivência, agora culturizados, porque os biológicos ficam adiados para situações extremas. E mesmo assim, por vezes, surgem em toda a sua violência.  Todos os esforços feitos no sentido de dar credibilidade à espécie humana e, no nosso caso particular, à tal "velha nação", caiem aos trambolhões pela rua da amargura.  Nunca vi, e também nunca pensei, que fosse possível tanto desaforo, tanto oportunismo, tantos trafulhas, tanta pantominice, tanto ladrão, tanto filha da puta, …

Gratidão

Gosto de apreciar os comportamentos dos animais. São, de um modo geral, admiráveis. São capazes de transmitir emoções e sentimentos. Mesmo que esteja a ser herético, julgo interpretar algumas das suas reações como manifestações superiores apenas atribuídas aos animais com alma, nós, os senhores que tomaram conta do mundo e que criaram uma hierarquia à custa dos deuses para se colocarem no topo de tudo e de todos. Enfim, uma boa estratégia.  À minha frente, os pássaros, animais que se caracterizam por uma independência difícil de explicar, fazem a sua vida. Cantam, saltam, comem, beijam-se e tomam conta com carinho de cinco lindos ovos. O Romeu e a Julieta, que vieram substituir a fuga do Trump e da Sissi, adaptaram-se muito bem ao novo ambiente, a ponto de a Julieta começar a por ovos sem hesitação passado pouco tempo após a chegada. Não temem o cão. Viajam e dormem lado a lado sem qualquer problema. Pelo contrário, quando temos de deixar o cão sozinho em casa, digo logo, vai ficar jun…

Coimbra

Gosto de gerar uma boa conversa e aprender com ela. Há dias, numa consulta de rotina, a senhora falou do que andava a fazer. Arqueóloga de profissão. Fico fascinado com certas profissões e disciplinas. Arqueologia é uma delas. - O que é que encontrou recentemente e que mereça ser descrito? A minha curiosidade emergiu com intensidade. É fascinante ver como do outro lado a felicidade começa a irradiar quando fazemos perguntas que são do seu interesse. - Ando numas escavações junto ao rio. Fundações de uma ponte que alguns afirmam ser do tempo do rei D. Manuel. Fica perto da ponte de Santa Clara. Não estou muito convencida que seja. Depois falou das pontes que houve na cidade e da subida do rio nos dois últimos milénios, doze a dezoito metros. - Sabe que três conventos foram soterrados pelo rio? Conversámos imenso. Descreveu a vinda de barcos fenícios e das caravelas até ao início do século XVII. A vida de Coimbra devia ser intensa, cheia de ritmo, de cor e de calor sempre em redor do ri…

Espaço vazio

Qualquer espaço serve para congeminar e tentar descobrir o significado de muitos acontecimentos. No local onde me encontro, consigo substituir o vazio por recordações avulsas que se vão amontoando no meu sótão. São muitas. Quero encontrar um fio condutor mas não consigo. Do meio do pó saltou a imagem de uma cidade. Não recordo o nome. Vislumbro através das janelas de um edifício soberano um espaço muito acolhedor. Luz suave, poltronas apetitosas, um ambiente tranquilo que contrastava vivamente com o cinzento e o frio que se fazia na rua. Por uns momentos encostei-me, quase, a um dos largos vidros e contemplei a imagem que emergia do interior. Um senhor, vestido com muito cuidado, bigode acinzentado e pera branca, a testemunhar algum culto, “à cavanhaque”, cabelo prateado e brilhante, como se tivesse acabado de o aparar, lia um jornal. Braços esticados, porque ainda era a altura dos jornais de folhas largas, parecia que queria abraçar o mundo. Ao lado, na mesinha, onde um candeeiro lan…

Descanso

Minutos breves de descanso. Saboreio a brisa quente do final da manhã. Não penso. É difícil não pensar. Só desejo sentir. Estranho não conseguir. Pensar é por vezes uma forma de matar. Matar o pensar é que é impossível de alcançar. Tento sentir e fugir ao advir. Não sei se consigo.  Ouço os sinos. Marcam o tempo e atormentam os meus sentidos. Não descanso. Só penso.