Fugir

Tenho que fugir à rotina. A que me persegue corrói-me a alma e destrói a vontade de saborear o sol e de me apaixonar pela noite. 
Tenho que fugir à vontade de partilhar o que sinto. Não serve para grande coisa, a não ser para avivar as feridas.
Tenho que fugir à vontade de contar o que desejava. Não quero incomodar ninguém.
Tenho que fugir de mim próprio. Dói ter que viver com o que escrevo.

Comentários

  1. Apesar das rotinas terem um impacto positivo na nossa saúde mental, poderemos reavaliar algumas e ser criativos/as para estabelecer outras que tornem a nossa vida mais divertida.

    Se fugirmos de nós próprios/as corremos o risco de nos perder o que poderá debilitar o nosso poder de decisão, de discernimento. Não será? : )

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Nossa Senhora da Tosse