Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

“Verde, azul e vida”...

Nem sempre acerto com o destino. Realmente não me lembro de alguma vez o ter descoberto. Nem sei o que é, se tem cor, cheiro ou som.
Gosto de ver o verde que se desenha com ramos e folhas de recorte estranhos. Não sabem a razão. Eu também não. Mas mesmo que soubéssemos para que serviria tal conhecimento? Para nada, a não ser para provocar mais inquietação, não às florestas mas a mim.
O azul vigiou-me durante a tarde. Estranhei o seu olhar e mais ainda o espanto do seu calor.
Tudo é a fingir, o verde, o azul, o calor, o amor e a vida, menos a dor de quem continua acordado à espera de ser amordaçado pelo tempo e coberto pela escuridão do mais frio silêncio, o do esquecimento.
Mensagens recentes

"TERRAS VAZIAS"...

Andei à procura de sentimentos, de emoções, de pessoas, de odores e principalmente de cores. Seduzem-me as cores, as que se vestem de verde são as mais misteriosas. São tantas as tonalidades que não consigo compreender o seu significado. São fábricas de vida que copulam constantemente com o deus sol. Talvez seja por isso que combinam tão bem, o amarelo dourado e os verdes amados. Passei pelos mesmos locais. Já os conheço, não são sempre iguais. Mexem-se ao sabor do vento e murmuram encantos aos olhos de quem os vê. Gosto de os ver, mesmo que o azul do céu, amuado como se fosse uma criança, não tivesse aparecido. O azul é mesmo assim, alegre, divertido, mas também trombudo e que gosta de ficar esquecido. Um rabugento que depressa aparece sedento dos olhares de todos os seres mortais ou se esconde sem razão. É belo por isso mesmo, instável como qualquer ser humano. Hoje não apareceu, espreitou, julgando que ninguém o via. Uma perfeita criança que vagueia no céu e nas lágrimas capazes de…

"SOSSEGO"...

É estranho poder desfrutar o tempo sem o sentir. Vi-o a passear perto de mim. Não o ouvi, não o temi, e hoje não me incomodou.
Quis provocá-lo. Como? Imaginando e escrevendo algo que ele já soubesse. Não me atrevi. Deixei-me ficar embrulhado em silêncio. Tenho medo do tempo. Conheço-o suficientemente bem. Tanto pode ser belo e simpático como malévolo e vingativo. Encolhi-me no sofá e fingi que me divertia com o filme que ia correndo. O cãozito, provocador, ajudou-me a fugir ao olhar do tempo. Não respeito o tempo. Nem sei para que serve. Talvez para me enganar dizendo que existo.
Ainda estou a pensar em escrever, a única maneira que conheço de o provocar.
Afinal de contas não passo de um pobre provocador.
Gosto do sossego, mas sem umas gotas de provocação não serve para nada!

"O homem e as flores"...

O dia foi diferente. Recebi uma notícia que aguardava há algum tempo. Fiquei tranquilo e até satisfeito. Entrei, oficialmente, num outro capítulo da vida. Sempre pensei que iria ser penoso, abandonar uma espécie de oásis para quem sempre labutou no deserto da vida. Mas não. Curiosamente fiquei calmo e até confortado. Nunca esperei, mas é verdade. Afinal consigo adaptar-me às mais diferentes circunstâncias da vida. - E agora? Pensei. - Vou oferecer uma pequena obra de arte a mim próprio para não esquecer este dia. Foi o que fiz. Ei-lo, "O homem e as flores", uma obra desenhada neste ano, no meu mês, com um olhar que poderia ser o meu, e com flores, o símbolo do efémero, da beleza, da simplicidade e da eterna esperança numa melhor vida.

O Pneu

Na altura não havia brinquedos. Fome de brincar e cabeça para imaginar eram coisas que abundavam.
Quando os eucaliptos davam a pele, retirava uma faixa e com maestria infantil, a que não era alheia a perigosa navalha, sempre escondida dos graúdos, arranjava maneira de criar uma fantástica hélice que girava como se fosse a mais esplendorosa ventoinha. Depois era vê-la a girar à velocidade da minha corrida. Víamos quem corria mais depressa atrás daquelas belezas feitas com a pele descamada dos eucaliptos.
Correr era uma necessidade. O corpo exigia insistentemente como se a vida quisesse andar atrás de um mundo que então via mas não compreendia. Fazia-lhe a vontade correndo com um velho arco ou a jogar à bola feita com meias velhas e trapos, os quais me valeram algumas tareias, porque nem sempre tinha discernimento para distinguir o velho do novo. Coisas da vida.
O que gostava mais era de andar às corridas com os arcos. Não era fácil arranjá-los, logo, o melhor era ficar junto da oficina d…

Escrever sem saber.

Não me importo de escrever e de dizer o que sinto. Mas não gosto muito que me leiam. O melhor seria usar uma tinta invisível como aquela com que me divertia em pequeno. Mas para isso teria de desenhar coisas belas que o calor do fósforo sabia despertar com entusiasmo e prazer o que o longínquo e estranho sol nunca conseguiu.
- O que é que estás a fazer?
-  Tinta invisível.
-  Para quê?
-  Para esconder o que sinto.
-  O quê! Explica isso melhor. Não explicava. Fingia que não ouvia, mesmo que repetissem.
-  Ó! Isto funciona mesmo. Grande limão.
-  Mostra. E eu mostrava. Viam apenas o meu nome em maiscúlas.
-  Então isto é que são os teus sentimento?
-  Não! É apenas a prova da minha assinatura.
-  Mas queres fazer uma assinatura?
-  Quero pois. Se não fizer ninguém sabe que fui eu.
-  Mas tu mal sabes escrever!
-  E depois? Tenho que começar por algum lado. Começo pelo meu nome, porque assim sempre sei que fui eu que escrevi.
-  Mas tu queres escrever o quê, se mal sabes escrever?
-  D…

Mudar

A sofreguidão de mudar persegue-me nos momentos mais inesperados. Faz-me lembrar os soluços. Sem saber a razão sinto a força imperiosa que vinda das entranhas me obriga a respirar de uma forma diferente e que é muito incomodativa. Também soluço, não com lágrimas, mas com o pensamento. Não resisto, não posso, sinto-me impotente para tentar navegar ao sabor do meu desejo. Deixo-me ir pelo impulso do momento. Não sei qual a duração, se um impercetível picossegundo, se um mês, um ano, ou até a própria vida. Não interessa, o que importa é desfraldar as velas, mesmo que estejam rotas, e ir ao sabor do vento do momento. Há muito que aqui não escrevia, neste espaço dedicado a Praxinoa, a escrava de Safo, que sabia mais de liberdade do que todos os deuses e, sobretudo, deusas. É bom. É tão bom poder escrever e ser lido por poucos. Eu sei qual é a razão. É a necessidade de me embebedar às escondidas com a liberdade da emoção e poder sentir a beleza incomparável do mais simples, enigmático e solit…